TPL_GK_LANG_MOBILE_MENU
A+ A A-

Deprecated: Non-static method Joomla\CMS\Application\SiteApplication::getMenu() should not be called statically, assuming $this from incompatible context in /home/gwcomuni/public_html/templates/gk_news/lib/framework/helper.layout.php on line 181

Deprecated: Non-static method Joomla\CMS\Application\CMSApplication::getMenu() should not be called statically, assuming $this from incompatible context in /home/gwcomuni/public_html/libraries/src/Application/SiteApplication.php on line 275

Cidade

Assalto a ônibus entre Cristalina e Luziânia termina com 3 mortos e 1 gravemente ferido

Um assalto a ônibus da Real Expresso terminou com três pessoas mortas, na madrugada desta terça-feira (15). Entre elas, um sargento da Polícia Militar do DF. O coletivo fazia a linha São Paulo – Brasília e trafegava pela altura do KM 61 da BR-040, quando dois criminosos começaram a efetuar disparos de arma de fogo, obrigando o motorista a parar. Era por volta das 4h30.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, logo que os bandidos invadiram o veículo, reconheceram o PM, que estava fardado, e começaram a atirar. Um agente penitenciário, que também estava a bordo, reagiu e atirou contra os assaltantes. Os dois morreram no local.

A imagem pode conter: texto

Ferido com dois disparos, o PM Hernandes José Rosa foi socorrido à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Luziânia, mas não resistiu. Ele morava em Catalão (GO) e era lotado no Batalhão do Núcleo Bandeirante. Ainda de acordo com a PRF, uma passageira ficou gravemente ferida e um outro rapaz foi baleado na mão. Um dos criminosos portava uma arma calibre 12 e o outro, uma .40.

Bandidos que morreram em assalto a ônibus na BR-040 eram irmãos

Agnaldo e Ronaldo já tinham passagens pela polícia e eram fugitivos da cadeia Municipal de Cristalina. Eles haviam assaltado um outro veículo momentos antes de atacar o ônibus interestadual

Os dois criminosos que tentaram assaltar um ônibus interestadual na BR-040 eram irmãos. Agnaldo Pereira da Rocha e Ronaldo Pereira da Rocha já tinham passagens anteriores por roubo e, na madrugada desta terça-feira (15), mataram um passageiro policial militar do Distrito Federal. No momento do crime, um agente penitenciário que também viajava no coletivo, reagiu e atirou contra os criminosos. Eles morreram no local.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), os dois irmãos  fugiram da cadeia Municipal de Cristalina em 20 de março. Eles eram assaltantes de ônibus dessa região e já haviam sido presos algumas vezes, inclusive em 2012, na Operação Cerco da PRF. A dupla havia assaltado outro veículo momentos antes de atacar o coletivo  interestadual.

A imagem pode conter: 1 pessoa

O crime ocorreu próximo ao km 61 da BR-040, na altura de Luziânia (GO), na Região Metropolitana do Distrito Federal. O trecho fica entre o município e a cidade de Cristalina (GO). O ônibus, da viação Real Expresso saiu de São Paulo com destino a Brasília, às 13h dessa segunda (14).

Passava das 4h30 quando os dois suspeitos teriam se posicionado na pista e atirado contra o ônibus para forçar parada. Segundo relatos da polícia, a dupla entrou no veículo e identificou Hernandes José Rosa, sargento da PMDF há duas décadas, com a farda da corporação. Os suspeitos dispararam dois tiros contra o militar. Ele foi socorrido na Unidade de Pronto Atendimento de Luziânia (UPA), mas não resistiu.

O sargento trabalhava no 25º Batalhão de Polícia Militar, no Núcleo Bandeirante, e morava em Catalão (GO). Dentro do ônibus também estava um agente penitenciário, que reagiu ao assalto. Ele e o militar não se conheciam. Na troca de tiros, os dois criminosos morreram e caíram nas escadas do veículo.

Um  passageiro foi alvejado e ficou com uma bala alojada na mão, sendo socorrido à UPA de Luziânia. Uma outra passageira baleada deu entrada no Instituto Hospital de Base (IHB) em estado gravíssimo. Segundo a unidade, ela está sendo atendida na sala vermelha e seguirá para Unidade de Terapia Intensiva. Às 13h, a unidade deve emitir boletim médico.

Dentro do ônibus, a cena é de destruição. Há marcas de balas nas poltronas e no para-brisa. Pelo chão do veículo, o sangue escorreu. A Polícia Civil de Goiás já fez perícia do carro, mas a cápsula de uma bala ainda está alojada no painel do motorista.

Mulher baleada em ônibus continua em estado grave

Continua em estado grave e ainda respira com ajuda de aparelhos a mulher ferida durante uma tentativa de assalto a um ônibus interestadual na madrugada de terça-feira (15). O Instituto Instituto Hospital de Base do Distrito Federal (IHBDF) informou que a jovem de 21 anos, baleada no tórax e na coluna, apresentou melhora do quadro pulmonar. Ontem, ela passou por drenagem torácica e está sendo acompanhada por profissionais da neurocirurgia.

Sarah Cristian Bueno segue internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e recebe cuidados intensivos. Um homem que ficou com uma bala alojada na mão foi levado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Luziânia (GO), na Região Metropolitana do Distrito Federal. Ambos eram passageiros do ônibus que fazia o itinerário São Paulo-Brasília assaltado nesta madrugada na BR-040.

Tentativa de assalto

Passava das 4h30 quando os dois suspeitos teriam se posicionado na pista e atirado contra o ônibus para forçar parada. Segundo relatos da polícia, a dupla entrou no veículo e identificou Hernandes José Rosa, sargento da PMDF há duas décadas, com a farda da corporação. A dupla disparou contra o militar, que foi socorrido na Unidade de Pronto Atendimento de Luziânia (UPA), mas não resistiu.

A imagem pode conter: texto

O sargento Hernandes José Rosa trabalhava no 25º Batalhão de Polícia Militar, no Núcleo Bandeirante, e morava em Catalão (GO). Dentro do ônibus também estava um agente penitenciário, que reagiu ao assalto. Na troca de tiros, os dois criminosos morreram e caíram nas escadas do veículo. O velório do militar ocorre nesta quarta-feira (16) em Catalão. Do DF, um comboio de colegas seguiu para prestar as últimas homenagens a ele.

A Superintendência da Polícia Rodoviária Federal no Distrito Federal lamentou o ocorrido. “Neste momento de dor e consternação nos solidarizamos ao sentimento de perda da família PMDF e oferecemos nossas mais sinceras condolências”, disse, em nota.

Por : Jornal de Brasília

Leia mais ...

Pelos (en) cantos de Goiás

Pelos (en) cantos de Goiás

Geovane José Leandro

Que este Estadão é um lugar abençoado por Deus, todos nós sabemos. Que é dele que “brotaram” nomes como o de Cora Coralina, Bernardo Élis, Bariani Ortêncio, dentre muitos outros que nos orgulham em poder bater no peito e dizer: sou sim, da Terra do Anhanguera, do índio Goyá.  Uma Terra que não teve medo e nem dó de ceder um pedacinho aqui, outro ali e gerar filhos como o Distrito Federal e Tocantins. Um berço que de tão abençoado, pode se dizer, que parece mesmo é coração de mãe; sempre cabe mais um. Talvez seja por isso, que é por aqui que pulsa o coração do Brasil.

Mas gostoso mesmo é desfrutar cada parte deste Estado, que precisamente mostra sua gente em um “estado” de amor entre si, ou hospitaleira quando se precisa receber os que por aqui decidem viver. No calor de um abraço, o afagar das belas cachoeiras, o sabor do pequi, das araçás e mangabas, o despontado e faceiro jeito do goiano, representado quem sabe pela desengonçada canela d’ema do cerrado.

Assim, o que importa mesmo é perceber que mesmo rodando este “Brazilzão.” Aqui em casa, há muitas, mas muitas belezas a serem apreciadas. Quer uma degustação? Pois bem, começo a lhe apresentar.

É carnaval de 2018, e “tudo pode acontecer”, diria uma bela canção dos anos 80. Os destinos e roteiros são os mesmos para aqueles que curtem uma noitada regada a som, bebida e muita folia. Daí os tradicionais destinos como Caldas Novas, Três Ranchos e/ou outros badalados que se destacam de norte a sul do Estado. Porém, o prazer agora é outro. E eis que se exala o desejo de seguir norte a dentro e desbravar um santuário, porque não dizer, um tanto quanto desconhecido da grande mídia e das massas – (e que assim, perpetue por muito tempo). O nome deste sagrado lugar: Mambaí – (que conforme um morador local, relatando o que dizia seu avô, veio da junção dos radicais “mam” de mangaba, fruta farta na região e “baí” – de Bahia, logo ali na divisa). Informação livre, a qual preferi não ir ao Google consultar, para não estragar o prazer do regionalismo cultural.

Bom, etimologias esclarecidas, é hora de desbravar as belezas deste lugar intocável por natureza. Começando pelas cavernas, esculpidas sob o dedo de Deus, as mesmas parecem disputar qual têm o objetivo de melhor encantar seus visitantes. O que por assim dizer, nos exige sem ao menos pedir, o respeito e preservação destes santuários. Cada “loca”, cada entrada. Porta e janela, como nos expressa um dos guias turísticos (que por sinal, todos de uma cortesia e educação incomparáveis e de dar inveja em muitas cidades por aí). Morcegos? Que nada, um só, visto durante todo o percurso, e que rondava a corda que levava pelo rapel, os grupos de visitantes do Rio de Janeiro, Brasília, Goiás e de outras partes desta terra verde-amarela. A cada trilha, cada caverna (cortada pelos rios que nos acolhem com águas barrentas até o pescoço), cada espaço verde, parece fazer com que os olhos dos visitantes venham contrastar com as belas paisagens que por ali se vê. A emoção é tanta, que Machado de Assis diria que o êxtase levaria os turistas ao brilho dos olhos de Capitu -, olhos de cigana oblíqua.  

E as cachoeiras? Ah... estas são um brilho à parte, exclamaria Rubem Braga. Exuberantes, todas exibem quedas d’água maravilhosas, água morninha e um contato com a Divindade através da sua casa-maior: a mãe natureza. A vegetação, em determinados momentos nem lembra o guerreiro cerrado que todos os anos precisa se reerguer após as queimadas que lhe mata, levando à agonia, sua fauna e flora. E para concluir, um almoço perfeito, à sombra dos pés de manga que exuberantes, acalmam o sol forte que queima a moleira de quem saboreia um franguinho caipira, macarronada, pirão e carne sequinha produzida ali mesmo na fazenda que nos oferece a belíssima cachoeira encantos do cerrado. Ah... não podendo esquecer a atenção do proprietário, um senhor gentil, educado e que com toda a simplicidade de um goiano, recebe com um aberto aperto de mão e sorriso largo, aqueles que ali desfrutam daquele pedacinho de paraíso. E é neste misto de belezas que através do silêncio, transcendem os ruídos do mundano carnaval, que lhe convido a ser bairrista, panteísta, ufanista, indianista e vir comigo. Vamos conhecer um pouquinho mais dos (en) cantos das Terras Goyazes. Afinal, isso aqui é bom demais! (Agradecimentos especiais a toda equipe da agência Mambaí Adventure).

Geovane José Leandro – Professor, jornalista e trecheiro

Leia mais ...
Assinar este feed RSS
Info for bonus Review William Hill here.