Menu
RSS

Itens filtrados por data: Quinta, 20 Julho 2017

Cristalina: Especial – Segurança Pública

  • Publicado em Cidade

Cristalina:  Especial – Segurança Pública

Locutora sofre assalto na porta da rádio

É... por  aqui, é possível reproduzir com fidelidade o que narra o velho Tião Carreiro em uma de suas canções de maior sucesso – “A coisa tá feia, a coisa tá preta..."  As Polícias Civil e Militar tentam, (mas falta aparato logístico e a presença de um maior efetivo), a administração municipal incrementa e coloca nas ruas a Polícia Municipal, mas o que continua de fato, é o aumento gradativo da violência.

Para se ter uma ideia, o algoz da manhã de quinta-feira (20), foi a radialista Karina Couto, locutora da rádio Líder FM. No momento em que se encontrava realizando a limpeza da calçada da emissora, foi tomada de assalto em plena luz do dia – “Foi por volta das 9h, saí para varrer a calçada, logo vi ele (o meliante), virando a esquina. A pé e de capacete, na hora já percebi que ia me assaltar. Pensei em correr para dentro da rádio, mas como estava sozinha, fiquei com medo dele entrar. Por isso, continuei ali, momento em que ele (o assaltante), gritou: ‘perdeu, perdeu, me passa o cordão.’”, expressão que a radialista relata o roubo do cordão de ouro que portava.  Apesar do susto e do prejuízo financeiro, a locutora passa bem. 

Polícia Municipal - Homens preparados / Plotagem dos veículos

Mesmo com a visível criminalidade que ainda assola a cidade, o contingente da Polícia Municipal (formado hoje, por 55 agentes), encontra-se treinado e capacitado, isto através de cursos realizados através de parcerias com a PATAMO–DF, PE, SENASP e que totalizaram uma carga-horária de 1010 horas-aula. Qualificação esta, realizada desde a última gestão. No entanto, outras correntes dentro do sistema de segurança pública têm questionado a denominação “Polícia Municipal”, dada a até então Guarda Civil Municipal. Fontes consultadas afirmam inclusive, que exista certa pressão para que a plotagem exibida atualmente nos veículos, seja retirada e que, no entanto, a questão vem ultrapassando os quesitos de segurança pública, para se tornar de interesse meramente politico. Porém, o comando da Polícia Municipal destaca que tal referência no que tange à real implantação da Polícia Municipal está efetivamente baseada não somente no curso que transformou a Guarda em Polícia, mas no que consta o projeto de lei 5488/2016, que trata da mudança na denominação de Guarda para Polícia Municipal.

Para o Policial Municipal Pedro Bonifácio de Alcântara (*nome fictício), o que vem acontecendo é uma briga de egos por parte da Polícia Militar. De acordo com o agente, a GCM quer e está contribuindo e muito para a sensação de segurança dos munícipes, só não faz mais porque não tem os recursos necessários. E do momento em que puderem contar com uma estrutura eficaz, fará com certeza, o melhor pelo município. Afinal, bandido ao ser abordado em flagrante delito, vai revidar. Seja a uma viatura da Polícia Municipal, GCM, PM o até mesmo da PF. “Não vejo isto como um confronto de vaidades. Até porque, o nome polícia não é propriedade da Militar. Então, o ideal é deixarmos de brigas e trabalhar em prol da segurança pública. Não cederemos aos caprichos, seja de ‘coronel’,  ou qualquer outra pessoa. Vamos dar segurança ao contribuinte. Afinal de contas, todos nós temos o mesmo patrão – o povo”,  resume Alcântara. Já para o também Policial Municipal Jales Meireles de Assis (*nome fictício), a corporação não é subordinada à Polícia Militar. Conforme Assis, a GCM tem autonomia, assim como o município, para legislar em matéria de interesse da população.

Porém, no texto da Constituição Federal em seu artigo 144, a nomenclatura ‘Polícia’ destina-se à segurança pública como dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, e exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através dos seguintes órgãos: polícia federal; polícia rodoviária federal; polícia ferroviária federal; polícias civis; polícias militares e corpos de bombeiros militares. O comandante da Guarda Civil Municipal Santos Alves refuta, esclarecendo que as funções e nomenclatura estão legalmente dentro do que prevê o projeto de lei já citado nesta reportagem e como explicar por exemplo o termo Polícia Legislativa ? Especialistas jurídicos consultados destacam que não há  incoerência a respeito do que questiona as outras forças policiais. Haja vista, segundo os consultados, ter sido criada no legislativo local a lei que ampara os Policiais Municipais. 

Procurado pelo GW para comentar sobre a polêmica, bem como do efetivo presente no município, o comandante da Polícia Militar Capitão Roger Modesto limitou-se em dizer que enviaria à Redação, um artigo relacionado aos assuntos. No entanto, até o fechamento desta reportagem, a editoria não havia recebido o referido material.

Polícia Militar – Reforço concentrado, mesmo diante das dificuldades de logística.

Confrontando o que se apresenta quase todos os dias nas redes sociais, a exemplo do episódio narrado no começo desta reportagem, a Secretaria de Estado de Segurança Pública apresentou recentemente, pesquisa que demonstra queda nos índices de criminalidade no Estado de Goiás. Dados estes, reforçados pelo Comando da PM aqui do Município, através de diálogo informal com a equipe do GW. Porém, a população questiona e contradiz tal pesquisa, como se pode conferir no depoimento do cidadão Dirceu Oliveira, morador da Zona Sul Nova. 

Efetivo desfalcado

Com o efetivo reduzido e a promessa de concurso público a ser lançado em setembro, os   homens da Polícia Militar e o também reduzido número de agentes da Polícia Civil, tem trabalhado dobrado para que a violência possa cair no município. Contudo, não é uma tarefa fácil a ser realizada num estalar de dedos, pelo menos é o que declara um servidor da área, que prefere não ser identificado.

Já para o delegado de Polícia Civil de Cristalina Dr Rafael Pareja Camargo, as forças policiais têm sim, algo a comemorar. Para ele, a cidade viu reduzir significativamente o índice de homicídios, se comparado ao mesmo período do ano passado – “de janeiro até agora, registramos um tocante bem menor de mortes violentas, enquanto que no ano anterior, o número bateu o recorde de 25. A exemplo, desarticulamos a quadrilha que existia no Distrito de Campos Lindos”, relembrando o fato da “lista da morte” divulgada no ano passado naquele Distrito.

Perguntado sobre o fato de a cidade demonstrar que aparentemente a criminalidade ainda desponta, o delegado explica que mesmo com a queda dos homicídios, Cristalina agora enfrenta outra modalidade de crime – o de roubos e furtos -, sendo estes ocorridos nos últimos meses, principalmente na zona rural e ainda, os casos de assalto a pedestres e comércio na zona urbana. Para o delegado, a questão de assalto a ônibus é outro dado que voltou a preocupar as autoridades policiais da região. Sobre as soluções a serem tomadas, Pareja explica das dificuldades enfrentadas – “Temos na atual conjuntura, boa parte destes crimes envolvendo menores de idade.  O que por consequência, vem dificultando nosso trabalho. Uma vez que em decorrência de não existir mais vagas no centro de internação de Luziânia, ficamos com estes menores infratores apreendidos em no máximo 05 dias, sendo liberados logo em seguida. Onde estes voltam para as ruas cometendo os mesmos crimes. É preciso investimentos por parte do sistema, temos de 1988 pra cá, um desfalque de aproximadamente 3 mil policiais no Estado de Goiás”, frisa o delegado.

Delegado de Polícia Civil - Rafael Pareja Camargo

Central de flagrantes

No dia 30 de maio, o juiz Thiago Inácio de Oliveira, da 2ª Vara Cível, das Fazendas Públicas, Registros Públicos e Ambientais da comarca de Cristalina, determinou que o Estado de Goiás criasse a Central de Flagrantes na comarca de Cristalina no prazo de 60 dias, tendo, portanto, número de agentes compatível com a demanda do município, sob pena de multa diária de R$ 10 mil. A ação civil pública foi proposta pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) em face do Estado de Goiás, o Secretário de Segurança Pública, Ricardo Brisolla Balestreri, e o delegado geral da Polícia Civil de Goiás, Álvaro Cássio dos Santos.

Na entrevista concedida ao GW, o delegado de Polícia Civil de Cristalina Dr Rafael Pareja destacou que em cumprimento à decisão judicial, a partir da data de 21 de julho de 2017, a central de flagrantes passa a vigorar no município – “neste primeiro momento, nosso atendimento será no sistema de plantão. Em especial, aos finais de semana, no horário que compreende das 18h de sexta-feira às 8h da manhã de segunda. Mantendo ainda, o atendimento normal à comunidade em horário comercial, nos demais dias da semana.” Conforme o delegado, dentro em breve, o Estado fará a convocação dos aprovados no último concurso público, o que viabilizará um número de até 03 agentes de plantão, ampliando, portanto, o funcionamento da central de flagrantes em 24 horas.

Central de flagrantes

 

Conselho de segurança

Instituído em Cristalina e contando com repasses financeiros do município, desde o início do ano, o Conselho Comunitário de Segurança Pública, é formado por autoridades e representantes da sociedade organizada. O órgão recebe atualmente cerca de R$ 27 mil reais por mês, para que sejam aplicados em ações relacionadas à segurança pública.  As reuniões do Conselho acontecem sempre no último dia útil de cada mês, na sede da subsecção da OAB em Cristalina. Para o vereador Valter Tomaz (PSD), a ideia é ótima, pioneira e de grande valia para a cidade. No entanto, tem faltado certa transparência, de como esta verba pública vem sendo aplicada – “Não é que não esteja sendo feita uma prestação de contas, assim acreditamos. Mas é preciso mostrar com maior clareza à comunidade.”, destaca o legislador.  Em resposta à indagação do vereador, o presidente do conselho comunitário de segurança Carlos Paulo informa que para obter os detalhes sobre o processo de prestação de contas, basta participar das reuniões realizadas pelo órgão, conferindo assim, os balancetes. E que sobre os possíveis entraves políticos, prefere manter-se fora dos méritos, declara o presidente.

Rotam / COD

O Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP), inaugurou na terça-feira (18) em Luziânia, a unidade de policiamento especializado em Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam). Outro ponto também apresentando pela secretaria, refere-se ao Comando de Operações de Divisas (COD) que é uma tropa especializada da Polícia Militar de Goiás que atua no combate a crimes de maior potencial ofensivo como tráfico de drogas, roubo de cargas, roubo a instituições bancárias, contrabando, descaminho, entre outros. A força especializada de segurança é responsável pela fiscalização nas divisas do território goiano com outros estados. O que credencia municípios como Águas Lindas de Goiás, Aporé, Catalão, Luziânia, Minaçu, Montividiu, Niquelândia, Porteirão, Serranópolis, Sanclerlândia e Cristalina, a receberem as tropas, somando às 12 unidades já instaladas no Estado. Assim, espera o cidadão cristalinense. Nesta semana, 80 passageiros ficaram sob a mira de armas de fogo, sendo brutalmente violentados, quando de um assalto realizado aos ônibus das viações São Cristóvão e Vila Rica, na BR 040, sentido Cristalina - Paracatu. O crime aconteceu na madrugada de segunda para terça.

Promessas de campanha

Com a proposta - Tranquilidade para todos, a atual administração municipal apresentou à comunidade, quando da campanha política, o Plano de Governo, constando das principais ações a serem realizadas durante a gestão. Confira o que já foi realizado nestes primeiros 07 meses.

Trecho retirado da versão original do plano de governo da atual administração.

Embora a segurança pública seja exercida pela Polícia Federal e Estadual, buscaremos melhorias junto ao Governo do Estado e União, e melhoraremos a estrutura da Guarda Municipal, visando garantir a segurança dos nossos cidadãos.

 

 

Principais ações propostas:

 

Dar condições para que a Delegacia de Policia Civil funcione 24horas, através do Programa "Banco de Horas";

  • valorizar e estruturar a Guarda Municipal, com a criação do "Projeto Guarda Municipal nos Bairros";
  • reativar os Postos Policiais existentes nos bairros;
  • dar apoio necessário para que seja construído um presídio, em parceria com o Governo do Estado de Goiás;
  • buscar, junto ao Governo do Estado de Goiás, a implantação de uma unidade do IML;
  • apoiar o Conselho Municipal de Segurança;
  • buscar, junto ao Governo do Estado de Goiás, a implantação de Delegacia especializada em crimes na zona rural;
  • buscar, junto ao Governo do Estado de Goiás, a implantação da Delegacia da Mulher;
  • eliminar pontos escuros da cidade, por meio da extensão da rede de iluminação  pública e colocação de luminárias e lâmpadas mais eficientes;
  • reestruturar o sistema de Monitoramento por câmeras em toda a cidade, para garantir mais segurança aos munícipes;
  • buscar junto ao poder Federal, a instalação de um posto da polícia federal rodoviária no perímetro urbano do Distrito de Campos Lindos.
  • guarda municipal: Secretário de segurança ligado à área; estruturar a guarda conforme a Lei federal rege; promoção do guarda municipal respeitando antiguidade e mérito; construir a sede da guarda municipal; promover a integração da guarda com os outros poderes de segurança do município; banco de horas para a guarda a favor da segurança municipal; criação do "Projeto Guarda Municipal nos Bairros"; realizar concurso público.(Especial – Segurança Pública – Texto: Geovane José Leandro. Imagens: Redes Sociais / GW. Colaboraram: Weverton Cambraia e Thayná Meireles)

 

Leia mais ...
Assinar este feed RSS
Info for bonus Review William Hill here.